Prender o xixi faz mal? Isso é mito ou verdade?

Quem nunca ouviu a frase: prender o xixi faz mal! Mas, será que isso é realmente verdade? Segurar a urina pode trazer consequências para nossa saúde? De acordo com a ginecologista e professora do curso de Medicina, Rossana Trocolli, a frase está correta. “É verdade. Muitas vezes, as mulheres “seguram a urina”, ou seja, demoram demais para fazer xixi e essa retenção da urina na bexiga forma um meio de cultura interessante para as bactérias e consequentemente pode provocar infecções no trato urinário”.

Infecções do trato urinário. O que é isso?

De acordo com Rossana são infecções provocadas por bactérias, a mais comum é a Escherichia coli (E. coli).  “A cistite é a infecção urinária baixa que atinge até a bexiga e a pielonefrite, conhecida como infecção alta que chega até os rins”, explica.

As infecções do trato urinário são mais comuns durante a gravidez?

Segundo a ginecologista, a anatomia da mulher favorece a proliferação de bactérias. “Essas infecções são mais comuns na gestação pela baixa da imunidade, que é uma condição muito comum durante a gravidez. Essas bactérias são habitantes naturais da região da vulva e vagina e com a baixa da imunidade, elas migram para o sistema urinário e provocam essas patologias".

Sintomas e Tratamento

Os principais sintomas são ardor, dor para urinar e frequência de urina em pequenas quantidades. O tratamento da infecção deve ser realizado de imediato. “Às vezes, não esperamos nem os exames complementares, apenas com o sumário de urina nas mãos nós já determinamos o tratamento para não perder tempo. Para as gestantes, as consequências podem ser graves, como o abortamento no primeiro semestre e partos prematuros no segundo trimestre de gestação. O tratamento é medicamentoso. Além disso, fazemos várias recomendações, como o aumento da ingestão hídrica e cuidado com a higiene pessoal”, enfatiza a ginecologista.

Exames e coleta

Os principais exames para detecção da infecção do trato urinário são o sumário e a urocultura da urina.  Para a realização desses exames um fator importante é a coleta adequada da urina. Sobre isso, a médica explica. “A coleta é a da primeira urina do dia. Você deve fazer uma higienização da vulva, depois desprezar o primeiro jato e colocar no potinho o segundo jato da urina. O ideal é que a urina coletada seja levada imediatamente para o laboratório”.

A matéria contou com o apoio das alunas do internato Irla Dantas, Karine Feitosa e Larissa Quidue.