Saiba como identificar se você está consumindo muito açúcar

O açúcar está presente em vários alimentos, principalmente nos industrializados. Além do açúcar adicionado, existem alimentos classificados como carboidratos refinados ou “simples”, que têm a característica de serem facilmente digeridos e absorvidos, como exemplo, farinhas, pão branco, arroz branco, doces, macarrão, refrigerantes, biscoitos e bolos. Segundo a nutricionista e professora da Ciências Médicas Mônica Lima o consumo excessivo destes alimentos provoca uma série de reações no nosso organismo que alteram o seu funcionamento adequado, além de aumentar o risco para o desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2, obesidade e doenças cardiovasculares.

 

Efeitos do consumo de açúcar

 

A nutricionista explica que alguns efeitos bem conhecidos provocados pelo consumo de açúcar são hiperglicemia e hiperinsulinemia, aumento da fome, poliúria, aumento do risco de doenças cardiovasculares, cansaço e fadiga, compulsão por guloseimas e síndrome de abstinência.

 

Confira o que pode acontecer com seu organismo, devido esse excesso:

 

- Hiperglicemia e hiperinsulinemia: o açúcar e os carboidratos simples são rapidamente digeridos e absorvidos, desta forma, ocorre um pico de glicose no sangue; para normalizar esta hiperglicemia, o pâncreas é estimulado a liberar uma grande quantidade de insulina (hiperinsulinemia). Com a insulina, as células conseguem captar a glicose e utilizá-la como fonte de energia, porém, o excesso de açúcar será convertido em gordura para armazenamento, facilitando o aumento do peso corporal.

- Aumento da fome: devido a grande secreção de insulina provocada pelo excesso de açúcar, ocorre um efeito rebote, ou seja, a glicose sanguínea reduz drasticamente, estimulando a fome. Assim, o consumo de açúcar e carboidratos simples induz maior sensação de fome e não estimula a saciedade, favorecendo também o ganho de peso.

- Poliúria: quando o consumo de açúcar está elevado a tal ponto de a insulina não conseguir normalizar a glicemia, ocorre um estímulo da função renal a fim de aumentar a excreção urinária de glicose.

- Polidipsia: decorrente da maior produção de urina na tentativa de controlar a hiperglicemia, o indivíduo pode desidratar e, consequentemente, o corpo reage com o aumento da sede.

- Aumento do risco de doenças cardiovasculares: o excesso de açúcar é metabolizado em triglicerídios, que serão armazenados no tecido adiposo, mas que também aumentarão as taxas sanguíneas destas gorduras, sendo fator de risco para a doença cardiovascular.

- Cansaço e fadiga: apesar de os carboidratos terem como sua principal função o fornecimento de energia, o consumo excessivo de açúcar pode desencadear fadiga e cansaço físico.

- Compulsão por guloseimas e síndrome da abstinência: dependência química semelhante a de outras drogas, como tabaco e álcool, relacionada ao estímulo na produção de serotonina e dopamina.

 

Dieta balançada e saudável

 

Mônica Lima ainda afirma que é importante manter uma dieta balanceada e saudável. “Segundo a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas 10% do total de calorias consumidas diariamente devem ser provenientes do açúcar. Uma dieta saudável e ideal deve restringir-se a 5%. Isso significa que o ideal é que uma pessoa consuma 25 gramas de açúcar por dia ou, no máximo, 50 gramas”, explica.