Prática - Alunos de Medicina testam conhecimentos durante o OSCE


17/02/2020 09:03

Um dia inteiro dedicado a testar conhecimentos. Esse foi o resumo do último sábado, dia 15 de fevereiro, para os alunos do 9º período de Medicina. Eles participaram do OSCE -  “Objective, Structured Clinical Examination”, também conhecido como Avaliação Clínica Objetivamente Estruturada, que pela primeira foi realizado em um sábado. “A FCM vem evoluindo muito a cada OSCE, a cada nova edição nós crescemos em qualidade, por isso, esse ano montamos uma estrutura para um dia inteiro, para termos mais conforto. A ideia da realização no sábado marca um passo a mais na história do OSCE na FCM”, ressaltou Eduardo Simon, vice-coordenador do curso de Medicina.

 

Afinal o que é o OSCE?

O OSCE é um exame que tem como foco simulações de situações reais de atendimentos. “É uma metodologia desenvolvida internacionalmente, um exame clínico observado. Nós vamos observar o aluno atendendo um paciente, uma situação simulada, dividido em áreas como  Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria, Clínica, Cirurgia, Urgência e Emergência e Saúde Coletiva. Vamos avaliar um check list de coisas que o aluno tem que fazer de forma estruturada e isso vai gerar uma avaliação muito objetiva de como está o conhecimento desse aluno”, destacou Eduardo.

 

Uma prática diferenciada

Para a futura médica, Grace Leal, o OSCE significa uma prática bem diferenciada de tudo que ela já viveu no curso. “É uma experiência muita boa está diante de casos clínicos que vamos ver na prática do internato. É uma forma de treinamento e preparo para situações que vamos encontrar no dia a dia”.

Para Eduardo, a importância principal do OSCE é que ele testa o conhecimento do aluno.  “Esse exame é importante principalmente nesse momento em que os alunos estão terminando o ciclo do primeiro período ao oitavo. E estão chegando ao internato. Nesse sentido, o OSCE é fundamental porque vai testar a habilidade clínica prática do aluno”.

 

Autovaliação

Para a aluna Thainá Rodrigues, o exame serve como uma medida de autoavaliação. “É uma oportunidade de a gente se autovaliar sobre o que aprendemos até agora e o que precisamos melhorar para o internato”.

“Para mim é um meio de muito aprendizado. É válido para chegarmos mais preparados para o internato”, declarou a a aluna Sarah Sales.

Após participar do OSCE, a aluna Catarina Lopes refletiu como o exame a inseriu de forma muito prática nas situações simuladas. “É uma avaliação que nos apresenta uma prática diferente, que envolve nosso estresse, nos obriga a pensar rápido para resolver o caso clínico”, concluiu.