Publicado em 01/04/2022

1º de abril: Desmentindo mitos sobre saúde

1º de abril: Desmentindo mitos sobre saúde?w=1020

O termo “mito” é designado para referir às crenças comuns, popularmente conhecidas, porém não comprovadas cientificamente, baseadas apenas em acontecimentos históricos ou lendas. Na área da saúde a prática dessas crenças por parte de uma parcela da população ainda são bem comuns e difundidas para as gerações futuras.  Abaixo estão alguns desses mitos:

Comer leite com manga faz mal ao organismo?

 Na verdade, a mistura é nutritiva e saudável. Estima-se que essa ideia surgiu na época do Brasil colonial. Os senhores de engenho, para não permitir que os escravos tomassem leite (que era um produto caro), criaram esse mito para encorajá-los a comerem apenas as mangas, já que a fruta era comum e abundante.

 

 Comer bolo quente provoca dor de barriga?

 Bolo quente é gostoso e não representa perigo à saúde. Quando a comida passa pelo esôfago, o corpo já se adapta à temperatura. O restante do aparelho digestivo nem nota se está quente ou fria. Esse mito pode ter surgido como tentativa de educar as crianças a fazerem a refeição principal antes da sobremesa, respeitando o tempo para que todos pudessem comer juntos.

  
Ficar revirando os olhos pode te deixar vesgo?

Não! O estrabismo surge quando há predisposição genética e pode ser desencadeado por alguma infecção. Mas ninguém fica estrábico por movimentar muito os olhos, muito menos se bater um vento ou se o galo cantar (como dizem algumas crendices).

 

 Água com açúcar acalma os nervos

 A mistura de água com açúcar não tem efeito calmante. Na verdade, o açúcar é fonte de energia! Mas ele pode levar a uma sensação de bem-estar. No entanto, quando alguém está assustado ou nervoso, o simples fato de fazer uma pausa para beber água faz com que se desligue do problema e controle a respiração. Por isso, acredita-se que acalma.

 

 É bom soprar o machucado para aliviar a dor?

 Muito fofo, mas não! Quando uma criança se machuca, é comum alguém soprar a ferida dizendo que vai passar rápido. Mas, ao fazer isso, a pessoa está jogando diversas bactérias para dentro da lesão.